terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Acho que era março de 2010


Provavelmente você é uma das únicas pessoas do mundo todo que nunca me idealizou. Você só me enxergou e: tudo bem. Não quis mudar nada. Tudo bem, tá tudo bem. E fez as coisas que eu considerava gigantescamente insuportáveis parecerem tão... menores. Eu realmente não sei se um dia você vai entender a importância disso pra mim. Ironicamente, foi justamente você quem mudou a minha cabeça sobre muitas coisas e eu te agradeço pela forma sutil como você fez isso. Eu prezo muito por gentileza por essa ter sido a última coisa que sobrou antes da minha despedida e você sempre foi assim: gentil. Verdades expostas, mas nunca impostas. Sim, esse é um texto de agradecimento, mais do que qualquer outra coisa. Pelos anos compartilhados, pelas dores incompreendidas, mas divididas. Pelas compreendidas, mas imensas também. Pela confiança que nem por um segundo deixou de existir. Pelas cartas na minha caixa de correio, pelos tempos em que o máximo que poderia existir sobre uma ligação era comprar um microfone pro msn. Pelo mundo que a gente desvendou, um mundo cheio de sentimentos para os quais eu não tinha palavras. Sim, eu sou tão grata! Pela sua paciência. Tanta coisa sobre mim é sobre você, que tudo isso parece o enredo de um filme muito mirabolante. Esse blog por exemplo, só existiu por sua causa, "as pessoas são como canções", acho que nem se eu tiver um futuro problema de memória vou esquecer disso algum dia. Adolescência cheia demais, a gente nem tinha quatorze e tudo já pesava muito mais que o normal. Uma vez, eu li que o cérebro foi feito para garantir a sobrevivência humana, ele não dá a mínima para a felicidade. Foi isso, não é? Sobrevivemos. Ao tempo! E que sorte. ♥

2 comentários:

Larisa Bueno disse...

Obrigada por tudo ♥ - Te amo

lari bueno. disse...

Uepâ - Obrigada por tudo ♥ - Te amo

(Agora sim)